Terrano GX
Maestro CV/CX
Leeb 7 GS
Cura ST

Detail

HORSCH do Brasil Home | Detail

O início do preparo conservacionista

Muitos fatores diferentes desempenharam um papel no aumento do preparo conservacionista na França. Frédéric Thomas, agricultor, pioneiro e fundador da revista TCS, relembra o passado.

O fato de a França gradualmente ter se tornado pioneira neste campo deve-se certamente a razões estruturais. Ainda temos muitas fazendas pequenas. Em comparação com a Grã-Bretanha, o êxodo rural começou muito mais tarde. Em 1977 a 1978, o número de agricultores ainda era de seis milhões. Isso é muito! A maior parte da terra também é propriedade dos agricultores, o que não é o caso em muitos outros países. O agricultor trabalha por conta própria, investe, tem sua renda, opera suas máquinas. Ele pode experimentar e implementar coisas novas rapidamente, sem ter que levar agrônomos, tratoristas e mecânicos ou outras partes interessadas e convencê-los. Ele tem o risco em suas próprias mãos.

Outro fator é geográfico. A França é um cadinho de muitas culturas. Influências do Mediterrâneo, Norte e Leste Europeu se encontram ali. Historicamente, ainda existem contatos com Québec. O país está aberto a influências das Américas do Norte e do Sul. É também daqui que vem a combinação de diferentes métodos de cultivo.

De costas para a parede

As razões para a redução e o abandono total do preparo se encontram nas primeiras grandes restrições dos anos sessenta e setenta. Isto coincide com a propagação do milho em grão, que é colhido tarde. Tornou-se mais difícil semear após o preparo ou em grandes quantidades de resíduos de culturas. O cultivo mínimo foi uma primeira etapa que abriu o caminho para as experimentações da Arvalis em Boigneville, na Bacia de Paris. Assim, desde os anos 70 há comparações entre o plantio direto, o cultivo mínimo e o preparo. Na época, no entanto, o plantio direto era um tanto marginal.

Como em qualquer outro lugar do mundo, porém, esta idéia se tornou cada vez mais popular. De repente, havia máquinas adequadas no mercado em todos os lugares. Os pioneiros se mantiveram fiéis ao plantio direto, mas nos anos 90 já não eram mais os únicos. As primeiras decisões da PAC e o colapso dos preços dos cereais colocaram muitas coisas em questão. É preciso ter em mente a situação especial na França. Uma grande parte da terra consiste em solos argilo-calcários e são difíceis de preparar. Os rendimentos não correspondem aos da Inglaterra ou do norte da Alemanha. A pecuária cada vez foi mais abandonada e o cultivo de cereais se expandiu - isto aumentou o risco econômico e forçou os agricultores a fazer uma escolha.

Portanto, era preciso encontrar uma solução para garantir a rentabilidade, trabalhar de forma mais barata e expandir. O preparo conservacionista na França tem suas raízes nesta história caótica e, na época, era meramente uma solução em busca de eficiência econômica. Economizava tempo, combustível e maquinário. Esse foi o grande momento da semeadora HORSCH. A França era o mercado ideal para ela. Mas também foi a época dos grandes fracassos, especialmente no final dos anos 90, quando dois invernos muito úmidos atingiram com força até mesmo os maiores entusiastas. Felizmente, no entanto, os sucessos foram suficientemente nítidos para ancorar este método permanentemente.

A adubação verde como solução

Na época, a agricultura conservacionista era realmente apenas um contra-movimento às práticas existentes. Era um contraste ao preparo e uma recusa em usar maquinaria de forma muito intensiva. A abordagem foi mais técnica do que agrícola.

No início dos anos 2000, estas práticas se tornaram mais interrelacionadas. A França tomou conhecimento das idéias dos agricultores da América do Sul. Estes trouxeram as peças que faltavam do quebra-cabeça: culturas de cobertura e adubação verde. Foi assim que o fator solo entrou em jogo. Não tínhamos tido conhecimento disso antes. Tornamo-nos muito mais sensíveis à erosão, porque esse era seu tema preferido. Começamos a falar de micorrizas e raízes. Isso deu uma dinâmica totalmente nova ao nosso processo porque a cobertura vegetal agora trazia aspectos agronômicos à tona. Para mim, esta foi uma mudança de ponto de vista extremamente importante. Tínhamos chegado ao verde!

Novos protagonistas e a difusão dos métodos

Ao mesmo tempo, foram criadas a APAD (Association pour une agriculture durable = Associação para a Agricultura Sustentável) e a rede BASE (Biodiversité, Agriculture, Sol et Environnement = Biodiversidade, Agricultura, Solo e Meio Ambiente), com base no método da agricultura conservacionista. Estas redes contribuíram para o intercâmbio de conhecimentos entre os diferentes países e trouxeram novas experiências e informações para a França. Foi então que eu fundei a revista TCS. Graças às associações, graças à revista e graças a alguns outros agrônomos iluminados como Claude Bourguignon e Lucien Seguyet, o movimento ganhou cada vez mais estrutura e a acumulação orientada de conhecimento começou.

Pequenos erros às vezes são a causa de grandes descobertas! Por exemplo, descobrimos que crucíferas e leguminosas combinam muito bem. Assim, a combinação de colza e feijão foi estabelecida de forma bastante acidental na Bretanha. Esse foi um enorme passo à frente para o processo.

Depois disso, a agricultura conservacionista tornou-se cada vez mais difundida. Em 2007 e 2008, a pecuária aumentou significativamente outra vez, embora na verdade pensássemos que o método era mais adequado para grandes fazendas de grãos. No final, percebemos que podemos aprender muito com a pecuária. Há até mesmo os produtores de cereais que recomeçaram a pecuária. Eu sou um deles!

A agricultura conservacionista há muito tempo deixou de ser o símbolo distintivo de grandes fazendas equipadas com maquinário superdimensionado. Entrementes o processo funciona para todas as fazendas. A propósito, o tema agora se estende à fruticultura, viticultura e cultivo de lavanda. Tendem a ser as fazendas de ampla base que estão na melhor posição para fazer a mudança. Por exemplo, com os investimentos de uma associação de máquinas.

Confirmação política e reconhecimento científico

O fato de que a agricultura conservacionista também foi discutida pelos políticos naturalmente deu um enorme impulso ao assunto. Stéphane Le Foll, Ministro da Agricultura de 2012 a 2017 e um firme defensor da prática, sacudiu as instituições de ensino agrícola com sua declaração de que a agroecologia e a agricultura conservacionista devem ser praticadas. Em outubro de 2014, ele fundou o GIEE (Groupements d'Intérêt Economique et Environnemental = Associação de Interesses Econômicos e Ambientais) para dar um incentivo às fazendas.

Antonio Pereira, conselheiro da Câmara de Agricultura de Haute-Marne, aproveitou para lançar o GIEE Agri-Eco-Precise. Ao mesmo tempo, também foi criado o GIEE Magalhães, que trabalhou muito com colza e culturas complementares.

A pesquisa tinha que atender às fazendas. Desta forma, a agricultura conservacionista construiu uma ponte entre os problemas na Europa e os laboratórios agrícolas.

Hoje, esta abordagem tem uma base sólida. Não se trata apenas de uma idéia futurista. Há muitos agricultores que já estão implementando o sistema, muitos agricultores que já se encontram em uma dinâmica positiva. Já estamos em uma fase de transferência de conhecimento e apoio à conversão.

Qual é o próximo passo?

A agricultura conservacionista se estabeleceu como uma outra via entre a agricultura convencional e a orgânica. O que torna esta abordagem tão forte é a forma como ela surgiu e como é tratada. É preciso ser claro: é uma abordagem que tem prevalecido através do comprometimento dos agricultores, através do poder da rede. Nunca foi subsidiado ou fomentado. O sistema cresceu a partir de baixo, não foi imposto a partir de cima.

Cada vez mais fazendas estão mudando seus métodos agrícolas, o compartilhamento de máquinas está aumentando. O impulso positivo está crescendo, ainda mais à medida que os agricultores são apoiados pelo atual Ministro da Agricultura, Julien Denormandie, que sabe muito sobre o assunto.

O ano 2021 é um novo ponto de virada: aumento dos preços dos fertilizantes, escassez de herbicidas, aumento do preço da energia... É também o início da campanha do carbono, que apoiamos há 20 anos. Os agricultores devem ver isso como uma oportunidade para finalmente declararem que a agronomia, a economia e o meio ambiente estão ligados.

Para mais informações de Frédéric Thomas sobre agricultura conservacionista podem ser encontradas aqui: agriculture-de-conservation.com