HORSCH do Brasil | #FUTUREGROUND

#FUTUREGROUND

Juntos por uma agricultura saudável

Desde a fundação da empresa, sempre foi de grande importância aliar o desenvolvimento de máquinas agrícolas para manutenção dos rendimentos dos agricultores com proteção ao meio ambiente, bem-estar e saúde animal.

Um solo saudável é a base para uma agricultura sustentável. Este é o objetivo de nossas ações que são moldadas por nossas raízes e inspiradas por valores cristãos. Para lidar com os desafios de uma agricultura saudável, desenvolvemos soluções técnicas e digitais para preparo do solo, semeadura e cuidados com as culturas

Nossa campanha crossmedia #FUTUREGROUND representa a proteção do solo para o futuro e para as gerações futuras. O conceito visual da campanha apresenta pessoas em diálogo no “chão do futuro” – simbolizado por ilhas flutuantes de terra.

Junto com nossos clientes, sociedade e nossos colaboradores, desenvolvemos ideias para uma agricultura que seja economicamente bem-sucedida e contribua para um clima saudável na Terra.

Preparar o solo para uma troca saudável

Fireside chat 2022

Michael Horsch discute com Josef Braun, agricultor orgânico de Freising, e Deert Rieve que administra uma fazenda em Muuks, perto de Stralsund.

E se estivermos enfrentando uma escassez de alimentos causada pelo clima?

E se estivermos enfrentando uma escassez de alimentos causada pelo clima?

Em 2022, durante o bate-papo, Michael Horsch, juntamente com Josef Braun (agricultor orgânico de Freising) e Deert Rieve (agricultor de Stralsund), discutem as consequências climáticas na produção de alimentos básicos. Trata-se basicamente das crescentes influências do clima na agricultura e na produção agrícola. Devido às quebras de colheita causadas por condições meteorológicas extremas, os preços da canola, soja, milho, mas também dos cereais aumentaram consideravelmente. O Canadá, por exemplo, foi atingido por uma onda de calor no início de junho; na China, as inundações do Yangtze levaram a perdas consideráveis ​​de safra. Segundo as estatísticas, foi um dos maiores danos induzidos pelo clima, pois atingiu principalmente os “celeiros” da China. Além disso, os preços ainda são influenciados pelo Covid-19, os preços atuais das commodities e o aumento do frete. No entanto, pode haver outra razão para a situação do mercado: a influência da escassez de alimentos básicos. Com base neste pressuposto, a discussão começa com a questão se a agricultura deve ser totalmente convertida em agricultura orgânica ou se também existem outros problemas e soluções.

De acordo com Josef Braun, a agricultura orgânica é a abordagem correta se você levar em conta a proteção do clima e a conservação da vida selvagem: “Se queremos lidar com esses desafios, temos que repensar o uso da terra”. No futuro, também, o uso da terra deve atender às exigências da natureza e do homem. A produtividade das localizações privilegiadas deve ser mantida. Deert Rieve também concorda e acrescenta: “Não podemos permitir uma redução de rendimento em locais privilegiados!”

Na opinião de Braun, o método “Agro-Floresta” também é uma boa abordagem. O princípio deste método é integrar árvores e arbustos nos campos. Conduzem, assim, a uma melhoria da produção bruta de fotossíntese, a uma redução do rebaixamento das águas subterrâneas e criam melhores condições para maiores rendimentos. Mas, de acordo com Rieve, isso tem que acontecer sem continuar a perder terras aráveis ​​adicionais. Do ponto de vista ecológico e econômico é importante manter as localizações privilegiadas. “Poderíamos reflorestar terras improdutivas onde as consequências negativas de uma produção causada por medidas mais específicas de cuidados com as culturas são mais graves”, ressalta Deert Rieve.

Todos os três palestrantes concordam que nossos hábitos alimentares também, bem como a grande quantidade de alimentos desperdiçados, desempenham um papel importante. De acordo com as estatísticas, 1/3 dos alimentos produzidos em todo o mundo são desperdiçados, 42% leguminosos, 22% cereais, 5% carnes, 18% batatas, mas apenas 1% frutos do mar (dados de acordo com Michael Horsch). “Você vê, há uma relação causal: quanto mais caro é um produto, menos frequentemente ele é desperdiçado”, diz Horsch. Para ele, a vantagem dos preços altos também é que se desperdiça menos comida e que passamos a pensar mais em como nos alimentamos. Então, finalmente, frutas e legumes tortos chegaram aos nossos supermercados. “No entanto, não devemos esquecer as consequências negativas para o Terceiro Mundo. Essas pessoas muitas vezes só podem comprar pão e se o preço do pão dobrar por causa do aumento do preço do trigo, realmente haverá um grande problema”, afirma Horsch. O comércio internacional, no entanto, é capaz de compensar globalmente as quebras de safra. De acordo com Rieve, os países que por diferentes razões – climáticas ou outras – não conseguem produzir, podem abastecer-se de outras localidades e compensar as carências. Ele considera uma grande responsabilidade apoiar uns aos outros e encontrar soluções juntos.